yntb_grande noite-244.jpg

o festival

O Yés, nós temos Burlesco é o primeiro festival brasileiro de burlesco a criar vínculos internacionais, trazendo artistas de várias partes do mundo e possibilitando a aprendizagem, o intercâmbio de informações e experiências inesquecíveis.

 

Um Festival internacional dedicado à arte burlesca que, desde 2015, reúne grandes nomes do burlesco do Brasil e do mundo, fomentando a criação de uma comunidade burlesca nacional, proporcionando desenvolvimento artístico através de um potente intercâmbio cultural, e gerando espaços de informação sobre temas como corpo, gênero e sexualidade. Além do forte empoderamento de seu público.

É um evento que homenageia a história de nossas vedetes e astros do Teatro de Revista, mas que ao mesmo tempo foca no futuro, em conexão com a cena e os âmbitos sociais que o burlesco e os artistas vivem em seus cotidianos. Trouxemos grandes nomes do burlesco internacional e hoje, somos referência quando se fala de festival burlesco brasileiro dentro e fora do território. Construímos alianças com as comunidades burlescas latino-americanas, através do Santiago Burlesque Festival e Salvaje – Festival Internacional de Burlesque Argentina.

Em território brasileiro já recebemos artistas de Norte a Sul e temos a missão de fomentar a diversidade, fazendo crescer cada vez mais essa desbundante comunidade.

a incubadora

Seleção de cinco bolsistas, estudantes de artes cênicas, para acompanhar os bastidores da realização do YNTB.

O programa consiste em Oficinas:


Aulas online: 36 horas de aulas online (12h por mês), ministradas metade por Miss G e outra por DFenix, tanto para alunos bolsistas selecionados, quanto para demais inscritos a preços populares. 

Oficina Etapa Pré-Produção (12h)

A nova era da produção de Festivais: como conceber um festival online ou híbrido?

 

O que é curadoria? Autonomia, Liderança e Parceria no trabalho em equipe em contextos criativos;

 

Planejamento de etapas de trabalho. 

Oficina Etapa Produção (12h)

Comunicação entre equipe de produção, artistas e público;

 

Ações de Marketing e Produção de Conteúdo Para Festivais;

 

Produzindo um show online; Produzindo uma aula online.

Oficina Etapa

Pós-Produção (12h)

Como estimar e divulgar resultados alcançados?

 

O que aprendemos com o YNTB 6a Edição?

 

Desenhando o futuro: desafios para as próximas edições do YNTB na pós-pandemia.

a EQUIPE

FB_IMG_1558134362497_edited.jpg

FUNDADORA

Giorgia Conceição, Curitiba, 1981

  • YouTube
  • Instagram
_MG_1308_edited.jpg

FUNDADOR

Artista trans não-binário masculine, carioca.

  • Instagram
BIL_0528_edited.jpg

a comunidade

A Cena burlesca atual e o Boom dos festivais

O burlesco está disseminado no mundo. Numa pesquisada rápida pela hashtag #burlesque é possível achar artistas de todas as partes do mundo, Europa, EUA, Latino-América, inclusive festivais dessa arte. 


O festival de maior influência no mundo é o Burlesque Hall of Fame, fundado pela burlesca Jennie Lee, principal organização do mundo dedicada a preservar o legado vivo do burlesco como forma de arte e fenômeno cultural. Em 1991, para incentivar mais visitantes ao museu remoto, foi criado o concurso Miss Exotic World.

Essa competição burlesca anual se tornaria o campo de provas para uma geração de novos artistas e interação com as lendas do burlesco. 


Na América Latina esse movimento vem crescendo ano após ano, inclusive andando em conjunto e firmando parcerias com o Yés, nós temos burlesco. No Chile temos o Santiago Burlesque Festival e na Argentina temos o Salvaje, ambos nossos parceiros. 


No Brasil, de maior destaque temos o Poá Burlesque Festival que acontece em Porto Alegre e nós, no Rio de Janeiro. O movimento burlesco é crescente, desbundante, revolucionário e cheio de entusiasmo. 

depoimentos

Show pirotécnico

Oque dizem por aí

“O burlesco nesta nação é uma força tão poderosa que varre, encanta e fortalece. Cada um dos artistas que eu vi em todos os cenários foi mágico e eu realmente gostaria de poder levá-los todos na minha bagagem para que eu possa apreciá-los ainda mais no meu país.” 

—  Alondra Machuca, Santiago - Chile

BIL_4717-Pano_edited.jpg